fbpx

Relação da síndrome de asperger com o autismo

sindrome_de_asperger

Provavelmente você já ouviu falar em Autismo, mas e em Síndrome de Asperger? Trata-se de um transtorno neurobiológico que fica dentro da categoria dos Transtornos de Neurodesenvolvimento. Ele pode ser facilmente confundido com o autismo, pois possui sinais e sintomas muito parecidos e saber estabelecer o diagnóstico correto é essencial para começar o tratamento mais adequado.

Dentro da lógica do TEA – Transtorno do Espectro Autista, de acordo com o novo manual de diagnóstico da Associação Americana de Psiquiatria (DSM-5), os dois estão dentro da mesma condição. Ou seja, por estarem no mesmo espectro, o que os difere é a intensidade na manifestação dos sintomas.

Quer saber mais sobre essas patologias e suas relações? Continue a leitura deste artigo e entenda como diferenciá-las.

Sinais que auxiliam no diagnóstico do autismo

O autismo pode ser percebido nas crianças por volta do um ano e meio, quando já há indícios das primeiras interações sociais da vida. Esse transtorno gera em pessoas baixo interesse pelo convívio social e dificuldade de socialização. Outro ponto também também relevante é que a criança autista geralmente tem problemas de se comunicar com eficiência.

Além disso, também é comum que as pessoas com autismo apresentam comportamentos característicos. Andar na ponta dos pés e falta de empatia são alguns desses costumes. Contudo, o alcance e a gravidade dos sintomas manifestados podem variar consideravelmente. Portanto, pessoas autistas podem apresentar total desinteresse para com o convívio social, como também ter uma vida considerada “normal”, de acordo com o grau de autismo apresentado.

Características da síndrome de Asperger 

A Síndrome de Asperger geralmente é descoberta nas crianças quando elas têm por volta dos três anos, idade em que as interações sociais nos ambientes são mais vívidas e perceptíveis. Ao contrário do autismo, as pessoas com esse transtorno têm interesse pelo convívio em sociedade. Além disso, outra característica é a maneira rebuscada de se expressar, composta de fala prolixa e termos “difíceis”.

O transtorno apresenta características peculiares. As pessoas com Asperger podem apresentar hiperatividade, comportamentos impulsivos e anti sociais, movimentos repetitivos – tanto nos gestos quanto na fala, entre outros. A criança também pode se desenvolver com má coordenação.

Qual a diferença entre a Síndrome Asperger e Autismo?

Para começar, é importante dizer que o autismo é um transtorno de desenvolvimento que leva ao comprometimento global da interação social com comportamentos repetitivos e restritos, além de problemas de comunicação social.

Por outro lado, mesmo que o portador da síndrome de asperger também possa apresentar essas características, o que difere é a intensidade, a profundidade e a gravidade dos sintomas entre os dois transtornos. O autismo leva a um comprometimento de linguagem, de comunicação, além de aspectos que dizem respeito à sensibilidade, ao ato alimentar e ao sono. Isso leva o autista a enfrentar tudo de forma severa e, por isso, depende de uma interação maior dos responsáveis.

O asperger, por sua vez, é o contrário, pois os sintomas são relativamente mais brandos e a pessoa fala muito bem, pode se expressar de forma rebuscada. A criança consegue ser mais independente, embora apresente comportamentos ‘estranhos’, no que diz respeito à interação social.

Tratamento 

Ainda não há uma cura para o Autismo e, consequentemente, para a Síndrome de Asperger. Isso ainda está sendo investigado, mas é bastante difícil já que se acredita que as causas estão ligadas a fatores genéticos e também ambientais, mas ainda não se sabe quais.

Embora os transtornos tenham suas particularidades, o tratamento deve ser feito basicamente com terapias. No caso do autismo, ainda existem medicamentos que podem ser tomados para melhorar a qualidade de vida de quem possui o transtorno. Com o tratamento adequado e o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar com fonoaudiólogos, psiquiatras, terapeutas ocupacionais, entre outros, é possível combater esses problemas de desenvolvimento.

banner_plataforma_egolife